O livro dos Porquinhos

Este livro é FABULOSO. Sou fã do Anthony Browne e este livro está mesmo no meu top.

O que vos sugere a ilustração da capa? Qual vos parece que será o tema? Acho que conseguem adivinhar.

Enquanto a mãe trata de tudo em casa, mesmo tendo um emprego fora tal como o marido, as crianças e o pai passam o tempo refastelados no sofá a ver televisão e a exigir as refeições na mesa a tempo e horas. É dado, propositadamente, enfase ao “importantíssimo” trabalho do pai e à “importantíssima” escola das crianças e nenhum destaque ao trabalho da mulher. Esta mãe/mulher vai tomar uma atitude drástica e surpreendente e nesse dia mostra o seu poder.

As ilustrações surrealistas realistas são absolutamente brilhantes. Muitas vezes acrescentam conteúdo e nalguns momentos até o antecipam, fornecendo-nos pistas para o desenrolar da história e tornando a leitura um jogo ou um desafio para os leitores mais perspicazes.

As possibilidades de mediação deste livro são imensas pois pode ser usado para públicos alvo de idades muito diferentes.

Para os mais pequeninos a abordagem pode ser muito simples pois o livro pode ser apenas visto como sendo sobre uma família em que o pai e as crianças não ajudam a mãe e por isso ela está triste e cansada. Imagino-me a usar este livro numa sessão para o pré escolar no Dia da Mãe. A conversa no final daria certamente lugar a declarações de amor e promessas de ajuda em tarefas simples para fazer a mãe feliz.

Para um público mais crescido, pode abordar-se com mais profundidade transpondo a desigualdade que se vê no livro para outras situações da vida em sociedade.

Um livro imperdível para graúdos e miúdos com mais de 3 anos.

Anúncios

Meninas pequenas GRANDES SONHOS

Da coleção “Meninas pequenas, Grandes Sonhos” recebi no correio mais um livro, desta vez dedicado a Ella Fitzgerald .

Nesta coleção, com uma edição super cuidada e muito bonita,  de forma breve e a rimar a autora mostra como os sonhos se podem tornar grandes histórias e contribuir para mudar o mundo. As meninas dos volumes anteriores são: Frida Kalo, Teresa de Calcutá, Anne Frank, Amelia Earhart e Marie Curie. A estas meninas fantásticas juntou-se o menino Stephen Hawking.

São todos escritos por Mª Isabel Sánchez Vegara e os ilustradores são diferentes de livro para livro. Até agora gostei de todos.

Na editora de origem há, entre outros, um volume dedicado a Rosa Parks e outro a Rudolf Nuréiev. Espero mesmo que cheguem a Portugal em breve. São histórias muito inspiradoras.

Recomendo para crianças a partir dos 5 anos e para adultos que sabem que cada um de nós pode mudar o mundo.

COMO COZINHAR UMA CRIANÇA

Recebi este livro no correio sem estar à espera. Peguei-lhe e pensei: “Como assim cozinhar crianças? O que é que o Afonso Cruz quer dizer com isto?”

O título prendeu-me de imediato. Li-o nesse mesmo dia. Gostei muito. Surpreendente!

Dois cozinheiro muito diferentes, num drama teatral, discutem qual a melhor forma de cozinhar crianças.

Para o primeiro, a intenção é a mais literal possível. “A menina entre na panela, se faz favor. Mas descalce-se primeiro, que os comensais não querem mastigar solas de sapato.”

Já o segundo, mais metafórico, quer “cozinhar ideias”. “Misturamos um pouco de bondade, um pouco de inteligência, alguns afetos, essas coisas.”

Se o primeiro tempera com sal e ervas, o segundo diz que “cada prato precisa de beijos e abraços” e “de um ingrediente que é sempre diferente mas que tem sempre o mesmo nome: a surpresa.”

Estes cozinheiros defendem visões muitíssimo diferentes do mundo e é isso que torna todo o diálogo muito interessante e fantástico para ler com os miúdos e puxar-lhes pela cabeça, pelo coração e pela língua. Devemos cozinhar crianças resignadas com o mundo ou devemos criar crianças criativas?

Há aqui pano para mangas para cozinhar ideias e afetos quer em casa com a família quer na escola em grupo turma. Haverá certamente muitos professores a levar este belíssimo texto a palco com os seus alunos.

As ilustrações, também da autoria do Afonso Cruz, combinam fotografia e desenho. Tornam o livro bonito de folhear, são visualmente interessantes prendendo a nossa atenção e acrescentam algo especial ao texto.

Recomendo muito para graúdos e miúdos a partir dos 8 anos.

O CLUBE DOS CIENTISTAS

Há tanto tempo que vos queria falar nesta coleção!

É um misto de livros de aventura com um caderno de experiências.

Os protagonistas são três irmãos. Carlos e Chico, que são gémeos e Catarina, a irmã mais velha. Os três estão sempre metidos em aventuras e em busca de respostas para desvendar mistérios e têm bem a quem sair pois têm uma mãe jornalista e um pai detetive privado. Filho de peixe sabe nadar!

Os irmãos recorrem à ciência para desvendar os mistérios e depois de lerem as histórias empolgantes e cheias de ação, os miúdos, vão poder pôr também mãos à obra pois em cada livro há várias experiências que podem realizar em casa com os pais.

Cá em casa estes livros são um grande sucesso.

Muitas mães me têm perguntado que coleções há para os miúdos lerem por volta dos 7 anos, quando começam a ser autónomos nas suas leituras. A resposta é: Clube dos Cientistas.

Já são 10 os livros na coleção e recentemente a autora Maria Francisca Macedo, dona de uma impressionante mente criativa brindou-nos com 3 livros que são na verdade os cadernos secretos dos 3 irmãos.

O caderno do Chico onde ele escreveu tudo sobre bichos pequenos, daqueles que se encontram no quintal e no jardim; o caderno da Catarina, que gosta de cozinhar,  sobre ciência na cozinha e o caderno do Carlos com truques e jogos com ciência.

Por cá andamos a explorar o dos bichos pequenos e estamos a adorar! É uma ótima maneira de tirar os miúdos da frente da televisão e levá-los até ao jardim mais próximo.

A VIAGEM e EU E O MEU MEDO

A Viagem

Um livro belíssimo sobre um tema difícil.

A autora decidiu criar esta história depois de ter conhecido duas raparigas num campo de refugiados em Itália. Segundo a autora, “Quase todos os dias ouvimos nas notícias as palavras “migrantes” e refugiados”, mas raramente se fala das viagens pessoais que eles tiveram de fazer”

Um dia a guerra chegou e a vida de uma família, como tantas outras, muda para sempre. A história é narrada por uma das filhas que conta como seu mundo mergulha no caos e tudo fica negro quando a guerra lhe leva o pai. A mãe e as duas crianças partem numa longa viagem em busca de um lugar onde nunca mais terão medo. Fogem na calada da noite para não serem vistos e durante muitos dias não param,  atravessando  colinas e florestas, fronteiras e mares tempestuosos em busca de um novo lar.

É difícil segurar as lágrimas ao ler este livro com os meus filhos. Se não conhecem, procurem conhecer  e por favor expliquem aos vossos filhos que nem todos têm um lugar seguro para viver e que isso é inadmissível.

Na contra capa do livro há uma citação da Amnistia Internacional onde se lê: “Apoiamos este livro porque ele nos recorda que todos temos direito à vida, à segurança e a ter uma casa.”

Eu e o Meu Medo

A menina é a mesma do livro A Viagem e está agora a começar uma nova vida, finalmente num lugar seguro. Neste livro a autora lembra-nos que para os refugiados, a jornada, não termina quando encontram um novo lar.

Precisamos de um mundo com mais amor e mais empatia e o mundo está nas mãos dos nossos filhos.  Façamos então a nossa parte e coloquemos boas sementes nos seus corações. Este livro dá uma boa ajuda.

Numa nova cidade, a menina está a tentar adaptar-se à sua nova vida cheia de gente desconhecida que ela não entende e não a entende a ela, numa escola nova e num bairro estranho.

“Eu sempre tive um segredo: um amigo pequenino chamado Medo. O Medo sempre tomou conta de mim e me protegeu… Mas, desde que viemos para este país, o Medo deixou de ser assim tão pequenino. E todos os dias cresce mais um bocadinho.”

Num lugar novo, o Medo tornou-se enorme e recusa-se a arredar pé, impedindo-a de se dar a conhecer, de fazer amigos e de descobrir o novo mundo que a rodeia.

Eu e Meu Medo é uma história doce e gentil que nos mostra que podemos encontrar amizade e conforto quando partilhamos os nossos medos.

Lida fora do contexto do livro anterior a história continua a fazer todo o sentido e é ótima para falar sobre os medos que todos nós temos e que tantas vezes preocupam os nossos valentes pequenos leitores.

ELEIÇÃO DOS BICHOS

No dia em que descobriram que o Leão desviou água do rio para construir a sua piscina privada os bichos ficaram muito zangados. Indignados com tal abuso, decidiram que estava na hora de escolher um novo governante e para isso convocaram eleições.

Assim se põe a criançada a aprender o que é uma eleição, para que serve e quais as regras para eleger o vencedor. As conversas sobre o assunto não terão fim e serão uma oportunidade fantástica para mostrar aos miúdos como é importante, enquanto cidadãos, envolvermo-nos e participarmos nas eleições dos nossos governantes.

Este livro, vindo de Brasil, é resultado de um trabalho coletivo criado a muitas mãos. Foram realizadas oficinas com crianças onde incorporaram os animais da floresta e nas quais se organizou uma eleição. Esses divertidos e sumarentos encontros foram a inspiração para este livro.

A história é muito divertida e as ilustrações perfeitas. Cá em casa, este livro é um sucesso. Vale mesmo a pena acrescentar este à vossa biblioteca. 😉

Regresso a Casa

A primeira palavra que me ocorre para descrever este livro, chegado a Portugal pela mão da Orfeu Negro, é ACONCHEGANTE.

A mãe coelha e o seu bebé, tornados humanos nas belíssimas ilustrações,  regressam a casa ao anoitecer. O pequeno coelho vai no colinho da mãe, cansado de um dia de muita brincadeira. As ruas estão vazias e a cidade prepara-se para dormir.

Pelo caminho, janelas iluminadas mostram outras vidas. O coelhinho vai encantado pelo que vê, ouve e cheira enquanto passa diante de cada janela aberta. O restaurante e a livraria estão a fechar, ouve alguém a falar ao telefone, uma tarte cheirosa sai do forno, alguém descansa frente à televisão e na janela ao lado há uma festa. O pai coelho junta-se a eles no caminho.  

As ilustrações a carvão em papel texturado com uma paleta principalmente monocromática mas com laivos de cores suaves tornam este livro reconfortante, lindíssimo e perfeito para trazer a noite até aos pequenos leitores. São absolutamente magníficas! No momento em que, já em casa, o pai põe o pequenote na cama, o peso do sono, o calor do cobertor e o leve ar noturno são tão deliciosamente palpáveis que os pequenos leitores só terão vontade de se aconchegar nas suas caminhas e dormir um soninho descansado. É uma delícia, MESMO!

Já na cama, o pequeno coelho ainda vai pensado o que estarão as pessoas que viu pelo caminho a fazer naquele momento. A festa já terá terminado, a televisão foi apagada, alguém se prepara para ir para a cama ou toma um banho relaxante para esticar as pernas, há quem adormeça a ler um livro, quem ainda vá comer a tarte e alguém que sai para apanhar o último comboio de regresso a uma cidade distante.

“É uma noite como qualquer outra, uma noite especial. Quando acaba, descansamos. Boa noite.”

Recomendo para maiores de 3 anos.