Para encerrar o assunto FÉRIAS, que SETEMBRO já chegou.

Eu adoro férias, principalmente se puder correr mundo, o que não é o caso quando se tem miúdos pequenos. No entanto gostei bastante das minhas férias este ano. Foram muito diferentes do habitual. Para além da experiência do bungalow em Cabanas de Tavira, que já vos contei, estive de férias no campo. Acho que nunca tinha passado férias de verão longe da praia.

Estivemos uns dias no MONTEBELO AGUIEIRA LAKE RESORT & SPA. Junto ao Mondego e à Barragem da Aguieira, perto de Mortágua e de Santa Comba Dão. O Resort é óptimo e está todo pensado para famílias com crianças. Têm piscinas exteriores e interiores. A exterior tem uma zona de brincadeiras com repuxos que os miúdos adoram. A interior é grande e foi óptima, principalmente para o Manuel que ainda não suporta bem as temperaturas menos quentinhas das piscinas exteriores. Há também um mini-golfe e um parque infantil onde o Francisco se divertiu e ocupou algum tempo. Têm também um kids club onde há sempre monitores a fazer actividades com os miúdos. O Francisco esteve lá uma manhã a “trabalhar” com barro.

Ainda dentro do Resort há uma marina e um clube náutico onde se podem fazer várias actividades aquáticas.

Como em qualquer cantinho deste nosso país encantado, come-se muito bem naquela região. Quero destacar dois restaurantes que achamos especialmente agradáveis. Em Santa Comba Dão gostamos muito do Cova Funda e no Luso jantamos muito bem no Pedra de Sal.

Aproveitamos a pouca distância de Coimbra para ir ao Portugal dos Pequenitos. Muito giro!

Fomos a uma praia fluvial chamada Senhora da Ribeira. É muito bonita e dar uns mergulhos naquela água fresquinha soube muito bem.  O Francisco experimentou a canoagem e ficou feliz e orgulhoso por conseguir remar sozinho. Foi um bom dia! Portugal é mesmo um país lindo e cheio de contrastes.

Para mim, uma praia fluvial não substitui uma bela praia de areia branca e mar salgado e sinto-me abençoada por viver em Lisboa e ter por perto tantas praias fantásticas, mas as praias fluviais também têm o seu encanto. Dentro de água, rodeada por montes e montanhas repletos de vegetação, respirar fundo e ficar parada, apenas a apreciar e a aceitar a beleza que me estava a ser oferecida foi uma experiência GRANDE.

Enfim, gostei. Gostamos todos. Até um dia!

14022101_10201801948447246_1774681006176491151_n

Anúncios

Férias, muito amor e um bungalow

Uma casinha de madeira bonitinha e confortável,  com casa de banho, cozinha e ar condicionado. Um alpendre com uma mesa de refeições. Ar livre. Crianças para brincar. Parque infantil. Piscina e Praia. Foi assim que vivemos duas semanas felizes no Camping Ria Formosa em Cabanas de Tavira.

O parque é óptimo. Tem boas infraestruturas e está sempre impecavelmente limpo. A Piscina é óptima, o parque infantil também. Os balneários impecáveis. Tem uma zona de grelhados e uma zona de refeições coberta e  um parque infantil onde as crianças se juntam à noite para brincar e onde é fácil fazerem amigos.

Os meus filhos cresceram a olhos vistos nestas duas semanas. O Francisco ía comprar gelados sozinho e percorria sozinho  o caminho entre o nosso bungalow e o de uns amigos com a confiança de quem se sente crescido. Adoramos. Entre um apartamento ou um bungalow num parque de campismo, escolho o bungalow, pela liberdade e descontracção com que se vive e pela fuga às rotinas, que é muito mais vincada. Apesar de termos televisão e wi-fi à disposição, estivemos praticamente desligados do mundo. Brincamos e conversamos mais. Divertimo-nos a valer.

O tempo ajudou. Estiveram uns maravilhosos dias de calor.  A água do mar estava maravilhosa, ao ponto de não me fazer ter saudades das caraíbas e a piscina também. As noites quentes permitiram ar livre e ficar acordado até mais tarde. Que alegria!

Voltaremos 😉DSC_0044

GEOCACHING

DSC_0088

Já ouviram falar em Geocaching? O meu marido já me tinha falado nisto e hoje tive oportunidade de experimentar.

O Geocaching é uma caça ao tesouro com receptores de GPS. O objetivo é, através das coordenadas chegar aos locais onde estão escondidas as caches (recipientes). Existem caches por todo o mundo, em parques naturais ou numa rua de uma cidade ou mesmo debaixo de água.

Quando encontramos a cache, escrevemos o que quisermos no bloco de notas que lá está dentro e no final deixamos tudo como estava, para que os próximos jogadores a possam encontrar.

O que mais gosto nisto tudo é que funciona como uma comunidade em que todos respeitam as regra para que todos possam desfrutar e adoro a ideia de haver tesouros que de facto não têm valor nenhum, porque o que vale mesmo é o caminho para lá chegar e a alegria da descoberta.

Eu andei perto de Colares, no Parque Natural de Sintra-Cascais. A zona é linda e a experiência é mesmo a repetir.

Na lua-de-mel, eu e o Bruno  fomos ao Perú e fizemos o trilho inca a pé até Machu Picchu. Já fiz o Caminho de Santiago três vezes. Adoro caminhadas e tenho saudades. Com os miúdos pequenos, não dá. Ainda há dias na feira do livro, o Francisco, depois de pouco mais de meia hora a andar, pediu colo.

No entanto, o geocaching tem um atractivo espectacular. É uma caça ao tesouro. Foram estas as palavrinhas mágicas que fizeram o Francisco dar saltinhos de alegria e pedir com cara de anjo para irmos fazer uma caça ao tesouro. – Vamos amanhã, mãe?

Foi música para os meus ouvidos. Claro que tem que ser com moderação. Percursos curtos e muita conversa com sabor a aventuras para o entusiasmar. Pode ser o início de muitas e boas caminhadas por este mundo fora. Oxalá seja! 😉