A História de Ferdinando

Já vos falei desta história aqui no blogue. O livro, da Kalandraka é maravilhoso, um dos meus preferidos das prateleiras cá de casa.

Em Dezembro, esta obra ganhará nova vida no cinema. Se não fosse pelo calor que já se vai sentindo e pelas saudades que tenho de dar uns belos mergulhos nos mar, estaria já a ansiar pelo Natal.

Espreitem o trailer oficial. Parece ter tudo para ser um grande sucesso.

Anúncios

Um tabuleiro de Damas muito especial

dsc_0271-1

Desenhamos a quadrícula de um tabuleiro de Damas numa folha, pintamos e colamos num cartão para ficar mais resistente.

Com plasticina moldamos as peças em duas cores diferentes. A plasticina ao ar acaba por endurecer e temos assim as peças para o nosso jogo de Damas.

Fizemos isto cá em casa num dia em que o Francisco não foi à escola por estar doentinho. Nessas alturas é sempre bom dar asas à imaginação e arranjar alguma coisa especial para fazer.

É muito fácil de fazer e como não tem que ficar perfeito para funcionar bem, os miúdos conseguem efectivamente participar na construção e adoram.

Durante algum tempo, jogámos às damas todos os dias. O jogo propriamente dito é bastante simples de jogar e o Francisco adora. Mas acredito que o que ele gosta mesmo muito é do facto de ter sido construído em família. Para além de construirmos um jogo, construímos memórias felizes. Não há nada mais especial. 😉

Ainda hei-de plastificar o tabuleiro, para não se estragar com o tempo.

 

STRANGER THINGS

download-2

Eu e o Bruno, depois de deitarmos os miúdos temos andado a ver uma série que me conseguiu agarrar ao ecrã o que, desde que sou mãe, não é tarefa fácil. Geralmente adormeço no sofá em poucos minutos.

A série chama-se STRANGER THINGS. Passa-se nos anos 80 numa pequena cidade do Indiana nos Estados Unidos.  A banda sonora e todos os adereços e ambientes remetem-nos mesmo para os eighties.

Tudo começa quando um miúdo desaparece misteriosamente. A mãe e os amigos estão dispostos a tudo para o encontrar. Entretanto aparece uma rapariga com capacidades fora do normal e há um laboratório do governo onde algo de muito estranho e secreto se passa.

Há uma criatura monstruosa na história. Se eu soubesse disso inicialmente, nem teria começado a ver o primeiro episódio. Não gosto de filmes com esse tipo de personagens. Acho sempre que são demasiado parvos para merecerem o meu investimento de tempo a vê-los, prefiro-os mais realistas. No entanto,  a relação de amizade entre os personagens mais novos é tão maravilhosa, que para mim o foco são eles e foram eles que me fizeram ficar fã da série. Os pequenos actores são mesmo fantásticos e tenho a sensação de que foram capazes de crescer a cada episódio.

Se ainda não estão convencidos de que vale a pena ver, digo-vos que houve vários momentos que me fizeram lembrar o ET e os Goonies, dois dos filmes com que toda a minha geração vibrou em criança. Não é necessário dizer mais nada, pois não?

Se têm aí em casa miúdos com 12, 13 anos ou mais crescidos, claro, aproveitem para ver em família.

Beijinhos

stranger-things-1-1200x605

 

Impossible Puzzle! – Bons momentos em família

pzl-1000-impossible-tsum-tsum_8bwvhfu

O Pai Natal trouxe-nos este puzzle. Nunca tinha feio um puzzle com tantas peças. Não tenho recordações de puzzles na minha infância e nunca os achei especialmente interessantes. Na verdade, até acho que a maioria são um bocado chatos. Este encheu-me as medidas. Cada cabecinha que vêem na imagem é um personagem da Disney. É absolutamente delicioso. Fazer este puzzle em família e ir percebendo e reconhecendo cada personagem tem sido muitíssimo divertido e uma óptima maneira de passarmos bons momentos juntos, sem pressas, descontraídos a rir e a conversar. O Francisco é campeão no reconhecimento dos personagens, não lhe escapa nenhum. O Manuel é campeão a jogar a mão e desmanchar o nosso trabalho, mas andamos tão divertidos que nem nos importamos muito 😉

Tem sido tão bom, tranquilo e amoroso o que tenho vivido com os meus três amores à volta deste puzzle que já ando a pensar qual será o próximo que vamos fazer. Numa busca na net encontrei dois que acho fantásticos. O primeiro é lindo de morrer, é  O Beijo, um quadro do pintor austríaco Gustav Klimt, com o Mickey e a Minie. O outro, que acho hilariante, é a Gioconda do Leonardo da Vince mas com a cara do Donald.

8005125390816_z

8005125390809_z

Não são o máximo? 😀

Vou ali por mais uma peça ou duas e já volto. 😉

Feliz 2017

logo-copy

O Maria Contarolante  tem 7 meses. Neste tempo percebi que gosto mesmo muito de escrever  este blogue.

Pouco antes do Natal, estava eu numa livraria a comprar presentes quando me apercebi de uma senhora que estava a tentar escolher livros para oferecer aos sobrinhos. Ainda hesitei, mas não tendo nada a perder, com a minha grande lata e um grande sorriso na cara aproximei-me, apresentei-me e dei-lhe algumas sugestões. Ela agradeceu muito, retribuiu o sorriso e aproveitou as minhas sugestões para vários presentes de Natal. Fiquei mesmo muito feliz.

Houve também alguns amigos que seguindo as minhas sugestões, acertaram em cheio nos livros que compraram para os filhos. Os miúdos adoraram e os pais também.

De coração, o que desejo para o Maria Contarolante em 2017 é que cresça feliz e cheio de boas energias e que esse crescimento se reflicta em muitos bons momentos para cada vez mais pessoas.

Estou entusiasmada, feliz e com a cabeça e o coração a fervilhar com ideias novas.

Feliz 2017 a todos 😉

Até breve

Sonho do Pai Natal

http://www.fabulasecontos.com/sonho-do-pai-natal/

 

O Pai Natal sonhou um sonho lindo, tão lindo que não queria acordar. E não queria acordar porque neste ano os Humanos encheram-se de boa vontade e fizeram um acordo de Paz, que silenciou todas as armas. Em todos os cantos do planeta, mesmo nos lugares mais recônditos da Terra, as armas calaram-se para sempre e os carros de combate e outras máquinas de guerra foram entregues às crianças para neles pintarem flores brancas de paz.

O Pai Natal sonhou um sonho lindo, tão lindo que não queria acordar. E não queria acordar porque nesse sonho não havia fome: em todas as casas havia comida, havia até algumas guloseimas para dar aos mais pequenos. Mesmo as crianças de países outrora pobres tinham agora os olhos brilhantes, brilhantes de felicidade. Todas as crianças tinham acabado de tomar um esplêndido pequeno-almoço e preparavam-se para ir para a escola, onde todos aprendiam a difícil tarefa de crescer e ser Homem ou Mulher.

O Pai Natal sonhou um sonho lindo, tão lindo que não queria acordar. E no seu sonho não havia barracas, com água a escorrer pelas paredes e ratos pelo chão, nem gente sem tecto, a dormir ao relento. No sonho do Pai Natal, todos tinham uma casa, um aconchego, para se protegerem do frio e da noite.

O Pai Natal sonhou um sonho lindo, tão lindo que não queria acordar. E no seu sonho não havia instituições para acolher crianças maltratadas e abandonadas pelos pais nem pequeninos e pequeninas à espera de um carinho, de um beijo… de AMOR. Todas as crianças tinham uma família: uma mãe ou um pai ou ambos os pais, todas as crianças tinham um colo à sua espera.

O Pai Natal sonhou um sonho lindo, tão lindo que não queria acordar. E no seu sonho não havia palavrões e outras palavras feias, não havia empurrões, má educação e desentendimentos. Toda a gente se cumprimentava com um sorriso nos lábios. Nas estradas, os automobilistas não circulavam com excesso de velocidade, cumpriam as regras de trânsito e não barafustavam uns com os outros.

O Pai Natal sonhou um sonho lindo, tão lindo que não queria acordar. E no seu sonho não havia animais abandonados pelos seus donos, deixados ao frio, à fome e à chuva,  nem animais espetados e mortos nas arenas, com pessoas a aplaudir.

Mas, afinal, quando despertou verdadeiramente, o Pai Natal viu que tudo não tinha passado de um sonho; que pouco do que sonhara acontecia de verdade. Ficou triste, muito triste, e pensou:

« – Afinal, ainda é preciso que, pelo menos uma vez por ano, se celebre o Natal!».

E, nessa noite, o Pai Natal começou os preparativos para dar, mais uma vez, um pouco de alegria a todas as crianças do Mundo.

Conto adaptado por Vaz Nunes – Ovar
“Diário de Aveiro”, de 2000/12/07

O LOBO MAU E OS 3 PORQUINHOS

by MARIA CONTAROLANTE

Num exercício de escrita criativa, foi-me sugerido pelo David Machado que reescrevesse a história dos 3 porquinhos, mas do ponto de vista do Lobo Mau. Aceitei o desafio e assim, deixo-vos aqui a minha versão deste clássico. As ilustrações foram um devaneio meu porque não queria deixar o lobo sem rosto e este post sem cor. 🙂 Espero que gostem ;).

12

3

4

5

6

7

8

9

10

11

Vitória, vitória, acabou-se a história! 😀